Ao prosseguir sua navegação neste site, você aceita o uso de cookies permitindo realizar estatísticas de visitas.Saiba mais Eu aceito

Inspetor de equipamentos de pulverização fitofarmacêutica

1. Definindo a atividade

O inspetor de pulverização fitofármaco é um profissional, cuja atividade consiste em verificar, em intervalos regulares, os equipamentos necessários para a aplicação de fitofássanitários (pesticidas).

Esta inspeção é realizada por um órgão de inspeção, a pedido e às custas do proprietário do equipamento.

Para ir mais longe Artigo 256-2 do Código Rural e Pesca Marinha.

Dois graus. Qualificações profissionais

a. Requisitos nacionais

Legislação nacional

Para realizar a atividade de inspetor de equipamentos de pulverização fitofarmacêutica, o profissional deve portar um certificado para a realização das verificações de uma ou mais categorias de pulverizadores sancionadores passando em um exame após o treinamento em um centro de treinamento credenciado.

Para ir mais longe Artigos D. 256-16 e D. 256-23 do Código de Pesca Rural e Marinha

Treinamento

Obtenha um certificado de prática

Para ser reconhecido como profissionalmente qualificado e obter um certificado, o profissional deve passar por treinamento em um dos centros de formação, aprovado pelo Ministério da Agricultura.

Este treinamento consiste em:

  • um primeiro módulo, com duração mínima de 23 horas, cobrindo:- todas as generalidades relacionadas aos pulverizadores, como manutenção, configurações, etc. (duração mínima de 3 horas),
    • uma introdução ao protocolo de controle teórico e prático (duração mínima de 14 horas),
    • a saúde e segurança do inspetor (duração mínima de 2 horas),
    • A relação entre o inspetor e seu cliente (duração de 2 horas);
  • um segundo módulo, com duração mínima de 19 horas, abrangendo:- regulação e o quadro para o trabalho da profissão de inspetor (duração mínima de 4 horas),
    • dominando o protocolo de controle do equipamento e colocando-o em prática (duração mínima de 8 horas),
    • equipamento de controle (duração mínima de 4 horas).

Para obter o certificado, o profissional deve passar por dois testes:

  • no final do primeiro módulo, que dura duas horas na forma de um questionário de múltipla escolha de 30 perguntas (MQC). Para continuar o curso de formação e obter o certificado, o limite para o sucesso é fixado em 20 acertos de 30. Em caso de falha, um novo questionário de múltipla escolha deve ser oferecido ao candidato o mais rápido possível;
  • Ao final do segundo módulo, o teste consiste em:- um teste prático no qual ele deve realizar uma verificação de hardware e elaborar um relatório de controle,
    • um teste oral sobre o quadro da prática da profissão, a saúde e a segurança do inspetor e o bom funcionamento do equipamento de controle, bem como a realização de um controle sobre uma categoria de equipamento diferente daquele para o qual ele realizou a verificação durante o teste prático.

Uma vez que o candidato tenha alcançado 2/3 dos objetivos, ele ou ela obtém um certificado de qualificação de acordo com o modelo estabelecido no Calendário II da ordem de 18 de dezembro de 2008 sobre os centros de treinamento de inspetores de pulverização nos termos do artigo D. 256-24 do Código Rural e pesca marinha.

Este certificado é válido por cinco anos renováveis (ver infra "Bom saber: renovação do certificado").

Possível isenção de treinamento

Alguns profissionais podem ficar isentos da formação do primeiro módulo, desde que tenham pelo menos três meses de experiência profissional envolvendo o ajuste adequado dos pulverizadores e eles possuem um Cronograma III da ordem de 18 de dezembro de 2008.

Uma vez que atendam a esses requisitos, eles têm a oportunidade de passar no teste de treinamento do primeiro módulo e, se bem sucedidos, acesso ao segundo módulo de treinamento.

Além disso, o primeiro módulo (teste de treinamento e acesso ao segundo módulo) está completamente isento, os nacionais de um Estado-Membro da União Europeia, um Estado parte da Área Econômica Europeia, mencionado nos artigos D. 256-27 e D. 256-28 do O Código de Pesca Rural e Marinha que forneceu ao Grupo de Interesse Público Pulvés os documentos previstos nas mesmas seções, e cujos conhecimentos e habilidades foram considerados insuficientes para o exercício da profissão de inspetor de pulverização.

Bom saber: renovação do certificado

Ao renovar o certificado, o profissional é obrigado a seguir um módulo de renovação que visa atualizar os conhecimentos e práticas profissionais mobilizados durante a verificação periódica obrigatória dos pulverizadores. Este módulo inclui um curso de treinamento específico com duração mínima de 21 horas seguido de um teste de 2 horas. Este teste consiste em trinta questões de múltipla escolha. Para obter a renovação do certificado, o limite para o sucesso é fixado em 20 acertos de 30.

Em caso de falha, um novo questionário de múltipla escolha deve ser oferecido ao candidato o mais rápido possível.

O modelo de certificado de renovação está definido no Calendário II da Ordem de 18 de Dezembro de 2008.

Para ir mais longe : site oficial do Grupo de Interesse Público Pulvés  ; Ordem de 18 de Dezembro de 2008 relativa aos centros de treinamento de inspetores de pulverização nos termos do artigo 256-24 do Código Rural e pesca marinha.

Credenciamento do órgão de inspeção

O inspetor certificado deve exercer em um órgão de inspeção aprovado pelo prefeito da região onde está localizada sua sede.

O órgão de inspeção é considerado credenciado desde que seja credenciado pelo Comitê de Acreditação Francês ( Cofrac ), ou por qualquer outro organismo de acreditação signatário do acordo multilateral de reconhecimento estabelecido pela coordenação do organismo de acreditação europeu, de acordo com os Cronogramas A, B ou C da norma NF EN ISO/CIS 17020 para atividades de "controle periódico do pulverizador".

Para obter a aprovação, o órgão fiscalizador deve justificar:

  • operar independentemente de outras atividades de controle, fabricação ou distribuição de fitofásimacos;
  • que todos os inspetores que emprega possuem o certificado de prática;
  • Que todos os equipamentos de controle que possui atendam aos requisitos de conformidade e calibração;
  • têm um sistema para arquivamento de documentos e que eles são mantidos atualizados e acessíveis.

Note que

A partir de 1º de janeiro de 2018, qualquer órgão fiscalizador que realize pelo menos 350 inspeções por ano deve ser credenciado para certificação ou renovação.

Uma vez que ele atenda a essas condições, a organização deve submeter uma solicitação ao Pulvés GIP (veja abaixo). "5. a. Pedido de aprovação para um órgão de inspeção").

Para ir mais longe Os artigos D. 256-15 a D. 256-20-1 do Código de Pesca Rural e Marinha e a ordem de 18 de dezembro de 2008 relativas aos órgãos de inspeção de pulverização nos termos das seções D. 256-20 e D. 256-26 do Código Rural e Pesca Marinha.

Custos associados à qualificação

O treinamento que leva à qualificação do inspetor de equipamentos de pulverização fitofarmacêutica é pago e o custo varia dependendo do centro de treinamento envolvido. É aconselhável se aproximar desses estabelecimentos para mais informações.

b. Cidadãos da UE: para exercícios temporários e ocasionais (Free Service Delivery (LPS))

Um cidadão de um Estado-membro da UE ou da EEE, que trabalhe como inspetor de equipamentos de pulverização fitofásico em um desses estados, pode usar seu título profissional na França de forma temporária ou casual. Ele deve fazer uma declaração ao prefeito da região em que deseja praticar (veja abaixo "5o). a. Faça uma declaração prévia de atividade para os cidadãos da UE envolvidos em atividades temporárias e ocasionais (LPS)).

Quando nem a atividade nem o treinamento que leva a esta atividade são regulados no Estado em que está legalmente estabelecida, o profissional deve tê-la realizado em um ou mais Estados-Membros por pelo menos um ano, durante os dez anos em que precedem o desempenho.

Quando o exame das qualificações profissionais revela diferenças substanciais nas qualificações necessárias para o acesso à profissão e seu exercício na França, o interessado pode ser submetido a um teste de aptidão em um um mês após o recebimento da declaração pelo prefeito.

Para ir mais longe Os artigos L. 2041 e R. 2041 do Código Rural e Pesca Marinha.

c. Cidadãos da UE: para um exercício permanente (Estabelecimento Livre (LE))

Qualquer cidadão de um estado da UE ou da EEE, legalmente estabelecido e atuando como inspetor de equipamentos de pulverização fitofarmacêutica, pode realizar a mesma atividade permanentemente na França.

Para tanto, o nacional deve justificar a posse de um certificado de formação ou um certificado de competência emitido por um Estado-Membro que regulao o acesso e o desprática da profissão.

Quando o Estado não regulamenta o exercício da profissão, o nacional deve justificar ter praticado como inspetor de equipamentos de pulverização fitofarmacêutica por um ano, nos últimos dez anos.

Quando a formação que conduz ao exime desta profissão, da qual o nacional detém, é regulamentada naquele Estado-Membro, não é necessária experiência de trabalho.

Uma vez que o nacional cumpra essas condições, ele ou ela é considerado para deter o certificado de exercício. Este último é emitido por cinco anos. É renovado após treinamento específico em um centro de treinamento credenciado.

Quando houver diferenças substanciais entre o treinamento recebido pelo nacional, que possui um certificado, e o necessário para praticar na França, este último será submetido, a seu favor, a um teste de aptidão ou a um curso de ajuste.

Para ir mais longe Os artigos R. 204-2, R. 204-3 e D. 256-27 do Código de Pesca Rural e Marinha.

Três graus. Protocolo e modalidades de controle

O inspetor é obrigado a cumprir os procedimentos do protocolo de controle de equipamentos de pulverização para fitofásimacos.

Como tal, deve:

  • Certifique-se de que o pulverizador tenha um identificador (uma placa ou adesivo) de forma legível e indelével e de acordo com as características estabelecidas no Cronograma I da ordem de 18 de dezembro de 2008 sobre o controle dos pulverizadores tomados em 1º do artigo D. 256-14 do Código Rural e pesca marítima;
  • verificar e identificar os defeitos de todos os pontos de fiscalização listados no Cronograma IIde da ordem de 18 de Dezembro de 2008 mencionado acima;
  • fazer uma contra-visita assim que um defeito é encontrado e requer reparo;
  • elaborar um relatório de inspeção, o modelo do qual está anexado ao Cronograma IV da ordem acima postada.

Se não forem encontrados defeitos, durante a primeira verificação ou no final da contra-visita, o inspetor deve colocar um adesivo no pulverizador, de forma visível, o modelo do qual está ligado ao Apêndice III do decreto acima mencionado.

Para ir mais longe : ordem de 18 de Dezembro de 2008 relativa aos procedimentos de controle dos pulverizadores previstos no artigo D. 256-14 do Código Rural e Pesca Marítima.

É um de quatro graus. Sanções penais

Um órgão de inspeção que realiza verificações sem licença ou tem tais verificações realizadas por inspetores que não possuem certificado de prática está sujeito a uma multa de 1.500 euros.

Para ir mais longe Artigo R. 256-31 do Código Rural e Pesca Marinha.

Cinco graus. Procedimentos e formalidades de reconhecimento de qualificação

a. Pedido de aprovação para um órgão de inspeção

Autoridade competente

O órgão de inspeção deve apresentar um pedido ao Pulvés GIP.

Documentos de suporte

Para isso, ele deve fornecer um arquivo contendo:

  • um documento que justifique que possui credenciamento do Cofrac ou de outro órgão de acreditação que seja signatário do acordo multilateral de reconhecimento. Caso contrário, deve anexar o regulamento nos termos do artigo 256-2-1 do Código Rural e das Pescas Marítimas correspondentes à primeira visita do GIP;
  • A organização de suas diversas atividades;
  • Informações sobre os inspetores que ele emprega
  • todos os procedimentos e equipamentos de controle que possui e seus certificados de calibração;
  • Todos os procedimentos internos para a realização de verificações regulares dos dispositivos de medição;
  • A descrição de todas as suas instalações;
  • diagnósticos voluntários feitos antes de 1º de janeiro de 2009.

Além disso, a organização deve se comprometer com o IIP para:

  • transmitir os resultados de verificações de pulverizador para eles.
  • Implementar os meios técnicos para facilitar sua missão e a dos oficiais de controle de conformidade da organização;
  • empregando apenas inspetores titulares de certificados;
  • pagar a taxa nos termos da Seção L. 256-2-1 do Código Rural e pesca marinha;
  • comunicar a decisão do órgão de acreditação após cada uma de suas auditorias.

Atrasos e procedimentos

O IPI deve garantir que a organização esteja cumprindo as obrigações pelas quais se comprometeu. Quando a organização não é credenciada, o IPI deve realizar visitas de inspeção.

O credenciamento é emitido por um período de cinco anos.

Note que

Quando a organização justifica que os inspetores que emprega completaram pelo menos cinquenta cheques ou concluíram um curso de treinamento de pelo menos uma semana em um órgão de inspeção aprovado, o recibo de credenciamento é devido a aprovação provisória. Essa aprovação provisória é válida até que o pedido seja processado e no prazo superior a seis meses após a emissão do recibo.

É aconselhável entrar em contato com o GIP Pulvés para mais informações.

Para ir mais longe Artigos D. 256-17 a D. 256-20-1; 18 de dezembro de 2008 ordem sobre os órgãos de inspeção de pulverizadores nos termos das seções d. 256-20 e D. 256-26 do Código Rural e Pesca Marinha.

b. Remédios

Centro de assistência francês

O Centro ENIC-NARIC é o centro francês de informações sobre o reconhecimento acadêmico e profissional de diplomas.

Solvit

O SOLVIT é um serviço prestado pela Administração Nacional de cada Estado-membro da UE ou parte do acordo EEE. Seu objetivo é encontrar uma solução para uma disputa entre um nacional da UE e a administração de outro desses Estados. A SOLVIT intervém em particular no reconhecimento das qualificações profissionais.

Condições

O interessado só pode usar o SOLVIT se estabelecer:

  • que a administração pública de um Estado da UE não respeitou seus direitos o direito da UE como cidadão ou negócio de outro Estado da UE;
  • que ainda não iniciou ação judicial (ação administrativa não é considerada como tal).

Procedimento

O nacional deve preencher um formulário de reclamação online.

Uma vez que seu arquivo tenha sido apresentado, a SOLVIT entra em contato com ele dentro de uma semana para solicitar, se necessário, informações adicionais e verificar se o problema está dentro de sua competência.

Documentos de suporte

Para entrar no SOLVIT, o nacional deve comunicar:

  • Detalhes completos de contato
  • Descrição detalhada de seu problema
  • todas as provas nos autos (por exemplo, correspondências e decisões recebidas da autoridade administrativa competente).

Tempo

A SOLVIT está empenhada em encontrar uma solução dentro de dez semanas a partir do dia em que o caso foi assumido pelo centro SOLVIT no país em que o problema ocorreu.

Custo

Livre.

Resultado do procedimento

Ao final do período de 10 semanas, a SOLVIT apresenta uma solução:

  • Se essa solução resolver a disputa sobre a aplicação do direito europeu, a solução será aceita e o caso será encerrado;
  • se não houver solução, o caso é encerrado como não resolvido e encaminhado à Comissão Europeia.

Mais informações

SOLVIT na França: Secretaria Geral para Assuntos Europeus, 68 rue de Bellechasse, 75700 Paris ( site oficial ).