Ao prosseguir sua navegação neste site, você aceita o uso de cookies permitindo realizar estatísticas de visitas.Saiba mais Eu aceito

Profissional de contadores

1. Definindo a atividade

O contador é um profissional cuja missão é rever e apreciar as contas, atestar a regularidade e sinceridade das contas de resultados, e também manter, centralizar, abrir, parar, monitorar, endireitar e consolidar contabilidade para empresas e organizações.

Atividades acessórias diretamente relacionadas ao trabalho contábil também são permitidas para profissionais contábeis (consultas, realização de todos os estudos e trabalhos de natureza estatística, econômica, administrativa, legal, social ou fiscal e fornecer aviso a qualquer autoridade ou órgão público ou privado que as autorize), mas sem poder ser o foco principal de sua atividade e somente se forem empresas em que as missões são realizadas contabilidade de natureza permanente ou habitual ou na medida em que tais consultas, estudos, obras ou opiniões estão diretamente relacionados com o trabalho contábil pelo qual são responsáveis.

Para ir mais longe Artigos 2º e 22º da Portaria nº 45 2138, de 19 de setembro de 1945, que institui a Faculdade de Contadores Fretados e regulamenta o título e a profissão de contador público.

Dois graus. Qualificações profissionais

a. Requisitos nacionais

Legislação nacional

A profissão de contador é reservada para qualquer pessoa na Tabela da Ordem dos Contadores, o que justifica:

  • desfrutando de seus direitos civis;
  • não ter sido condenado a uma sentença criminal ou correcional;
  • que apresenta as garantias de moralidade consideradas necessárias pelo Conselho da Ordem;
  • Alternativamente:- ter um diploma francês em contabilidade,
    • ou ter quarenta anos de idade e justificar quinze anos de atividade na execução de trabalhos de organização ou revisão contábil, incluindo pelo menos 5 anos em funções ou missões envolvendo o exercício de importantes responsabilidades de ordem administrativo, financeiro e contábil
    • ou, se ela é nacional de um Estado-Membro da União Europeia (UE) ou da Área Econômica Europeia (EEE) para justificar um certificado de competência ou um certificado de treinamento reconhecido como equivalente e emitido em tal Estado e, se necessário, ter satisfeitos com um teste de aptidão (ver ponto b), ou, se não um nacional, justificar um diploma reconhecido equivalente ao Diploma de Contabilidade (CED) e ter passado com sucesso em um teste de aptidão.

Para ir mais longe Artigos 3º, 7ºBis, 26 e 27 da Portaria 45-2138, de 19 de setembro de 1945; Decreto nº 2012-432, de 30 de março de 2012.

Quando se trata do exercício de uma atividade contábil corporativa, os profissionais podem constituir:

  • Empresas contábeis: entidades com personalidade jurídica, com exceção de formas legais que conferem aos seus sócios o status de trader. Os contadores devem, direta ou indiretamente, por uma empresa cadastrada na Ordem, deter mais da metade do capital e mais de dois terços dos direitos de voto. Nenhuma pessoa ou grupo de interesses, fora da Ordem, deve deter, direta ou por pessoa interposta, uma parte do capital ou direitos de voto susceptíveis de comprometer o exercício da profissão, a independência dos parceiros contadores ou seu cumprimento das regras inerentes ao seu status e ética. A oferta pública de títulos financeiros só é permitida para títulos que excluem acesso, mesmo diferido ou condicional, ao capital. Os gestores, o presidente da empresa simplificada, o presidente do conselho de administração ou os membros do conselho de administração devem ser contadores, membros da empresa. A sociedade membro da Ordem comunica anualmente aos conselhos da Ordem, a partir do qual relata a lista de seus associados e quaisquer alterações feitas nesta lista;
  • Holdings contábeis: o único propósito de deter títulos de empresas contábeis;
  • associações de gestão e contabilidade: criadas por iniciativa de câmaras territoriais de comércio e indústria, câmaras de comércio ou câmaras de agricultura, ou organizações profissionais de industriais, comerciantes, artesãos, agricultores ou profissionais. Nenhuma associação pode ser registrada no conselho se tiver menos de trezentos membros no momento da solicitação. Os diretores e diretores dessas associações devem justificar ter cumprido suas obrigações fiscais e sociais;
  • Ramos contábeis: indivíduos nacionais de outros Estados-Membros da UE ou outros Estados partes do Acordo da Área Econômica Europeia, bem como entidades jurídicas incorporadas de acordo com legislação de um desses estados, que tem sua sede estatutária, sede ou instituição principal em um desses estados, que exerce legalmente a profissão de contabilidade, tem o direito de constituir, para o exercício de ramos que não têm personalidade jurídica. As filiais não são membros do Colégio de Contadores Fretados. Eles estão no conselho. Seu trabalho está sob a responsabilidade de um contador que exerce dentro do ramo e representante ordinário especificamente nomeado nesta função para o conselho regional do Colégio de Contadores Públicos pelos admitidos constituem;
  • sociedades multiprofissionais: o objetivo da prática conjunta de diversas das profissões de advogado, advogado no Conselho de Estado e no Tribunal de Cassação, leiloeiro judicial, oficial de justiça, notário, administrador judicial, agente judicial, consultor de propriedade industrial, auditor e contador. A sociedade multiprofissional deve incluir pelo menos um membro de cada uma das profissões que exerce. A empresa pode tomar qualquer forma social, exceto aquelas que dão aos seus parceiros o status de um comerciante. É regido pelas regras específicas da forma social escolhida. Qualquer que seja a forma de ação social escolhida pela sociedade praticante multiprofissional, e mesmo quando não foi incorporada como uma empresa de exercício liberal, certas disposições do Título I do Ato 90-1258 de 31 de Dezembro de 1990 são Aplicável. Todos os direitos de capital e de voto são detidos pelos seguintes indivíduos:- (1) qualquer pessoa natural que pratique, dentro ou fora da sociedade, uma das profissões mencionadas no artigo 31-3 do Ato 90-1258 de 31 de Dezembro de 1990 e praticada conjuntamente na sociedade,
    • (2) qualquer pessoa jurídica cujo capital e direito de voto seja de propriedade direta ou indireta de uma ou mais das pessoas mencionadas no 1º,
    • (3) qualquer pessoa física ou jurídica, legalmente estabelecida em outro Estado-Membro da União Europeia ou parte do acordo sobre a Área Econômica Europeia ou na Confederação Suíça, que realmente realiza, em um desses Estados, uma atividade sujeita a um estatuto legislativo ou regulatório ou subordinado à posse de uma reconhecida qualificação nacional ou internacional, cujo exercício na França se enquadra em uma das profissões mencionadas no artigo 31-3 e que é exercida conjuntamente dentro da sociedade ; para pessoas jurídicas, todo o capital e direito a voto são mantidos nas condições previstas no 1º ou 2º;
  • empresas de exploração financeira das profissões liberais: incorporadas entre indivíduos ou corporações que exercem uma ou mais profissões profissionais sujeitas a status legislativo ou regulatório ou cujo título seja protegido ou pessoas 6º do artigo 5º da Lei 90-1258, de 31 de dezembro de 1990, das companhias financeiras para a exploração de ações ou ações de empresas mencionadas no primeiro parágrafo do artigo 1º da Lei 90-1258 de 31 Dezembro de 1990 com a finalidade de exercer a mesma profissão, bem como a participação em qualquer grupo de direito estrangeiro com a finalidade do exercício da mesma profissão. Essas empresas podem se envolver em qualquer outra atividade sujeita a destinação exclusiva mente para as empresas ou grupos dos quais possuem interesses. Essas empresas podem ser incorporadas sob a forma de sociedades limitadas, sociedades limitadas, sociedades anônimas, ações simplificadas ou sociedades limitadas regidas pelo Livro II do Código de Comércio. Mais da metade do capital e dos direitos de voto devem ser detidos por pessoas da mesma profissão que as empresas detidas pelas ações ou ações. Gestores, presidente, executivos, presidente do conselho de administração, membros do conselho de administração, presidente do conselho de supervisão e diretores, bem como pelo menos dois terços dos membros do conselho de administração ou o conselho de supervisão da corporação simplificada, deve ser escolhido entre aqueles que estão autorizados a formar essas empresas.

Para ir mais longe Artigo 7º, 7º Ter, 7 D 45-2138 de 19 de setembro de 1945 e seções 31-1 a 31-2, e artigos 31-3 e artigos 31-3 da Lei 90-1258 de 31 de dezembro de 1990 relativos ao exercício na forma de corporações profissionais sujeitas ao estatuto legislativo ou regulamentar ou dos quais o título é protegido e para as empresas financeiras das profissões liberais.

Treinamento

Para se candidatar ao Colégio como contador, o candidato, que não utiliza os procedimentos mencionados nos artigos 7º Bis, 26 ou 27 da Portaria 45-2138 de 19 de setembro de 1945, devem ter validado sucessivamente os seguintes diplomas, exceto isenções concedidas aos titulares de determinados títulos e diplomas:

  • bacharel em contabilidade e gestão (DCG) (B.A.3);
  • Pós-graduação em contabilidade e gestão (DSCG) no nível de mestrado (B.A. 5);
  • o diploma de contabilidade (DEC) no nível bac 8, após um estágio de três anos em uma empresa de contabilidade. Para este diploma, o candidato deve passar por uma prova escrita sobre a revisão legal e contratual das contas, uma prova oral perante um júri e apoiar sua tese ao final de seu estágio.

Esses diplomas também podem ser obtidos através do Procedimento de Validação de Experiência (VAE).

Para ir mais longe Artigo 3º da Portaria 45-2138 de 19 de setembro de 1945, artigos 45 e seguinte sustais do Decreto nº 2012-432, de 30 de março de 2012.

Custos associados à qualificação

Há uma taxa fixa por grau e por evento. Em 2018, para o DCG, o preço por evento é definido em 20 euros 14 eventos. Quanto ao DSCG, será 30 euros 8 eventos. Além disso, os diversos cursos que se preparam para esses diplomas são pagos. Para obter mais informações, é aconselhável aproximar-se das organizações que as fornecem.

O procedimento para o reconhecimento das qualificações profissionais dos cidadãos da UE ou da EEE é gratuito.

b. Cidadãos da UE ou EEE: para exercícios temporários e ocasionais (Free Service Delivery)

A profissão de contador ou parte das atividades contábeis pode ser realizada na França de forma temporária e ocasional por qualquer cidadão de um Estado-Membro da UE ou parte do acordo eEE, sujeito a:

  • (1) a ser legalmente estabelecido, em uma base permanente, em um dos estados mencionados para exercer toda ou parte da atividade de contador;
  • (2) quando essa ocupação ou a formação que a conduzem não for regulamentada no Estado de estabelecimento, ter praticado ainda mais essa ocupação em um ou mais dos Estados mencionados por pelo menos um ano nos dez anos anteriores ao desempenho que ele pretende alcançar na França.

A prestação de contas é realizada sob o título profissional do Estado de Estabelecimento onde tal título existe naquele estado. Este título é indicado na língua oficial do Estado de Estabelecimento. Nos casos em que esse título profissional não existe no Estado do estabelecimento, o requerente menciona seu diploma ou título de formação na língua oficial daquele estado. O desempenho deste benefício contábil está sujeito a uma declaração por escrito ao Conselho Superior do Colégio de Contadores Fretados antes do primeiro benefício. A declaração por escrito especifica a cobertura do seguro ou outros meios de proteção pessoal ou coletiva quanto à responsabilidade profissional deste prestador. A declaração prevista para a realização do primeiro benefício na França de forma temporária e ocasional é repetida no caso de uma mudança material nos elementos da declaração e renovada a cada ano se o requerente planeja realizar essa atividade durante o ano em questão. Após o recebimento desta declaração, o Conselho Superior do Colégio de Contadores Fretados envia uma cópia ao conselho regional do Colégio de Contadores Fretados no qual deve ser realizada a prestação de perícia contábil. Após o recebimento desta transmissão, o conselho regional registra o inscrito para o ano considerado no conselho da Ordem.

Para ir mais longe Seção 26-1 da Portaria 45-2138 de 19 de setembro de 1945.

c. Cidadãos da UE ou EEE: para um exercício permanente (Estabelecimento Livre)

Qualquer cidadão de um Estado-Membro da UE ou parte do acordo eee que atenda a uma das duas condições pode ser incluído na ordem como contador, sem ter um diploma em contabilidade:

  • (1) manter um certificado de competência ou qualificação de formação abrangido pelo artigo 11.o do artigo 11/36/CE alterou a diretiva do Parlamento Europeu e do Conselho de 7 de Setembro de 2005 relativa ao reconhecimento de qualificações profissionais que permitem o aprumor da profissão em um Estado-Membro da UE ou parte do acordo eEE. Este certificado ou título é emitido pela autoridade competente desse estado e pune o treinamento adquirido na UE ou no EEE, seja por um país terceiro, desde que seja fornecido um certificado da autoridade competente do Estado-Membro da UE ou parte do acordo eee que tenha reconhecido o diploma, certificado ou outro título, certificando que o titular tem, nesse estado, pelo menos três anos de trabalho em tempo integral ou de um período equivalente de tempo. Anos. Certificados de competência ou documentos de treinamento são emitidos pelo estado de origem, designado de acordo com as disposições legislativas, regulatórias ou administrativas desse estado;
  • (2) ter trabalhado em tempo integral como contador por um ano ou meio período por um período total equivalente a pelo menos nos dez anos anteriores em um Estado-Membro da UE ou em uma parte do acordo eee que não regula o acordo eee e que possuem um ou mais certificados de competência ou comprovante de credenciais de formação emitidos por outro estado que não regula esta profissão. Estes certificados de competência ou credenciais de treinamento atendem às seguintes condições:- a Ser emitido pela autoridade competente do Estado mencionada no primeiro parágrafo, designado de acordo com as disposições legislativas, regulatórias ou administrativas desse estado,
    • b) certificar a preparação do proprietário para o exercendo a profissão em causa. No entanto, a condição de uma experiência de trabalho de um ano mencionada não é exigida quando o título ou os documentos de formação do candidato sancionam a formação regulamentada diretamente voltada para o exercício da profissão. Contabilidade.

A menos que os conhecimentos, habilidades e habilidades adquiridas durante a experiência de trabalho, em tempo integral ou meio período, ou aprendizagem ao longo da vida, e que tenha sido validado por uma autoridade competente para este fim em um Estado-Membro da UE ou parte do acordo Europeu eEE ou em um país terceiro designado de acordo com as disposições legislativas, regulatórias ou administrativas desse Estado, são susceptíveis de tornar esta verificação desnecessária, a pessoa em causa deve ser submeter-se a um teste de aptidão:

  • (1) quando o treinamento que justifica abrange assuntos substancialmente diferentes daqueles do programa francês de diplomas contábeis;
  • (2) quando o Estado em que obteve um certificado de competência ou um documento de treinamento abrangido pelo artigo 11.o do 2005/36/CE alterado pelo Parlamento Europeu e pelo Conselho em 7 de Setembro de 2005 relativo ao reconhecimento das qualificações profissionais que utiliza ou do Estado em que praticou não regula esta profissão ou a regula de forma substancialmente diferente das regulamentações francesas.

Para ir mais longe Artigo 26 da Portaria 45-2138 de 19 de setembro de 1945 e artigos 97 a 99 e 103 do Decreto nº 2012-432 de 30 de março de 2012.

Inserindo um pedido nesse sentido, seja para um estabelecimento ou para uma prestação temporária e ocasional de serviços na França, a autoridade competente concede acesso parcial às atividades contábeis quando todas as condições são preenchidos:

  • (1) o profissional está plenamente qualificado para realizar em um Estado-Membro da UE ou parte no acordo eee a atividade profissional para a qual se solicita acesso parcial;
  • (2) as diferenças entre a atividade profissional legalmente realizada no Estado-Membro da UE ou parte do acordo eee e a profissão de contador na França são tão importantes que a aplicação de medidas de compensação equivaleria à imposição candidatos a seguir o programa completo de educação e treinamento exigido na França para ter acesso total à profissão na França;
  • (3) o trabalho solicitado pode ser objetivamente separado de outras atividades da profissão contábil na França, pois pode ser realizado de forma autônoma no Estado-Membro de origem.

O acesso parcial pode ser negado se essa recusa for justificada por motivos de interesse geral, se for adequado garantir o alcance do objetivo perseguido e se não ultrapassar o necessário para atingir esse objetivo. A atividade profissional é realizada o título profissional do Estado de origem quando o acesso parcial é concedido. Os profissionais que têm acesso parcial indicam claramente aos beneficiários dos serviços o escopo de suas atividades profissionais.

As disposições deste que eu não me aplicam aos profissionais que recebem reconhecimento automático de suas qualificações profissionais de acordo com o artigo 49Bis e 49Ter 2005/36/ CE alterada pelo Parlamento Europeu e pelo Conselho de 7 de Setembro de 2005 sobre o reconhecimento das qualificações profissionais.

Os pedidos de acesso parcial a uma instituição são revisados o mesmo procedimento que os pedidos a seção 26 da Ordem 45-2138 de 19 de setembro de 1945.

Os profissionais que foram autorizados a se envolver parcialmente na atividade contábil não são membros do Colégio de Contadores Fretados. Eles são colocados no conselho da Ordem de acordo com as condições estabelecidas na Seção II da Portaria 45-2138 de 19 de setembro de 1945. Estão sujeitos às disposições legislativas e regulamentares relativas à profissão de contador público. Eles pagam dívidas na mesma base e nas mesmas condições que os membros da Ordem.

Para ir mais longe Artigo 26-0 da Portaria 45-2138 de 19 de setembro de 1945 e artigos 97 a 99-1 e 103 do Decreto nº 2012-432 de 30 de março de 2012.

Três graus. Condições de honorabilidade, regras éticas, ética

Os profissionais contábeis devem cumprir as disposições legislativas e regulamentares que regem sua profissão e o regimento interno do Colégio, que são estabelecidos por decisão do Conselho Superior. Em todos os casos, os profissionais contábeis assumem a responsabilidade por seu trabalho e atividades. A responsabilidade própria das empresas associadas da Ordem e das associações de gestão e contabilidade deixa a responsabilidade pessoal de cada contador ou profissional que tenha sido autorizado a realizar parcialmente a atividade expertise contábil por causa do trabalho que faz em nome dessas empresas, filiais ou associações. O trabalho e as atividades devem estar acompanhados da assinatura pessoal do contador, do empregado ou profissional que tenha sido autorizado a exercer parcialmente a atividade contábil, bem como o visto ou assinatura social. Membros do a Ordem, que, sendo sócios ou acionistas de uma empresa reconhecida por ela, exime sua atividade naquela empresa, bem como os membros da Ordem assalariada por um colega ou empresa listada no conselho, de uma empresa multiprofissional de prática, uma filial ou uma associação de gestão e contabilidade, e os profissionais que foram autorizados a exercer parcialmente a atividade contábil podem exercer suas funções ou mandatos em seu próprio nome e em seu próprio nome. diretamente confiado por clientes ou membros. Eles exercem esse direito as condições das convenções que eventualmente os vinculam a essas empresas ou seus empregadores.

Os profissionais contábeis são vinculados ao sigilo profissional no decorrer de suas funções. No entanto, são desvinculados em casos de informações abertas contra eles ou de processos movidos contra eles pelo poder público ou em ações apresentadas às câmaras disciplinares da Ordem.

Eles também estão sujeitos a regras de incompatibilidade de exercício. Como tal, eles não podem:

  • ser empregado, exceto para outro contador ou uma empresa que esteja legalmente praticando contabilidade pública, membro da Empresa Nacional de Auditores, um ramo contábil ou uma associação de gestão e gestão. Contabilidade;
  • realizar outra atividade empresarial ou atuar como intermediário em uma capacidade sênior;
  • tem um mandato para receber, reter ou emitir fundos ou títulos, ou desistir. No entanto, como acessório, contadores, escritórios contábeis, filiais, associações de gestão e contabilidade, funcionários referidos nos artigos 83 ter e 83 trimestre, e empresas multiprofissionais a conta bancária da ordem pode, através da conta bancária de seu cliente ou membro, proceder à cobrança amigável de suas dívidas e ao pagamento de suas dívidas, para as quais um mandato foi confiado a eles, em condições estabelecidas por decreto. A emissão de recursos pode ser feita quando corresponde ao pagamento de débitos fiscais ou sociais para os quais um mandato foi confiado ao profissional;
  • atuar como agente de negócios, assumir uma missão de representação perante os tribunais da ordem judicial ou administrativa, realizar trabalhos contábeis, contábeis ou contábeis para as empresas em que estão direta ou indiretamente têm interesses substanciais.

Por fim, os profissionais contábeis estão sujeitos a um Código de Ética. Este Código de Ética contém regras relacionadas a deveres gerais, deveres aos clientes ou membros, deveres de fraternidade e deveres para o Colégio.

Para ir mais longe Artigos 12, 21, 22 da Portaria 45-2138 de 19 de setembro de 1945, artigos 141 e seguintes do Decreto nº 2012-432 de 30 de março de 2012 e ordenado em 3 de maio de 2012 sobre o regulamento interno da Faculdade de Contadores Fretados.

É um de quatro graus. Legislação social e seguros

No que diz respeito à legislação social, os profissionais contábeis devem cumprir as disposições legais e regulamentares aplicáveis na França em questões sociais, dependendo do modo de prática escolhido. Além disso, devem contribuir para o fundo de abono salarial de contadores e auditores, mesmo que estejam filiados ao sistema geral de previdência social.

Para ir mais longe : Código Previdenciário e artigo 27 Bis 45-2138 de 19 de setembro de 1945.

No que diz respeito à legislação de seguros, os profissionais contábeis são obrigados, se estabelecidos na França, a justificar um contrato de seguro para garantir a responsabilidade civil incorrida por causa de toda a sua trabalho e atividades. O valor das garantias de seguro retiradas não pode ser menor, por segurado, em 500.000 euros por sinistro e um milhão de euros por ano de seguro. As partes podem concordar com disposições mais favoráveis.

Quando as consequências pecuniárias da responsabilidade civil não são cobertas por tal contrato, elas são garantidas por um contrato de seguro subscrito pelo Conselho Superior da Ordem em benefício de quem será depropriedade. Os profissionais contábeis estão envolvidos no pagamento de prêmios para este contrato.

Para ir mais longe Artigo 17 da Portaria 45-2138 de 19 de setembro de 1945 e artigos 134 e artigos do Decreto nº 2012-432 de 30 de março de 2012.

Cinco graus. Procedimentos e formalidades de reconhecimento de qualificação

a. Declaração Prévia/Cartão Profissional

Nenhuma declaração prévia é exigida dos profissionais contábeis sediados na França, com exceção dos cidadãos da UE ou da EEE que desejam usar gratuitamente e ocasionalmente.

Por outro lado, eles estão sujeitos à obrigação de se inscrever no conselho da Faculdade de Contadores.

Para ir mais longe Artigos 3º, 7º, 7ºBis, 7 Ter, 7 D, 26, 26-1 e 27 da Portaria 45-2138 de 19 de setembro de 1945 e seções 31-1 a 31-2, e artigos 31-3 e seguintes da Lei 90-1258 de 31 de dezembro de 1990.

b. Autoridade competente

O Conselho Superior do Colégio de Contadores Fretados (CSOEC) e os conselhos regionais do Colégio de Contadores Fretados constituem as autoridades competentes para a inclusão da Ordem dos Contadores Fretados e o reconhecimento de Qualificações.

      Conselho Superior do Colégio de Contadores Fretados

      Rua Jay Cognacq, 19, 75341 Paris Cedex 07

Site da Faculdade de Contadores:https://www.experts-comptables.fr/page-d-accueil

Em termos de treinamento inicial, o CSOEC tem em seu site páginas dedicadas a:

Em termos de reconhecimento de qualificações profissionais, o CSOEC tem em seu site uma página dedicada, incluindo uma folha de fatos sobre o assunto .

As etapas e mais informações podem ser obtidas entrando em contato com o departamento de treinamento do CSOEC:

Email: communication@cs.experts-comptables.org

ou Dominique Nechelis: dnechelis@cs.experts-comptables.org

ou Marie-Claire Aorte: mcaorte@cs.experts-comptables.org

Finalmente, um forma de contato também está disponível no site do Conselho Superior da Faculdade de Contadores Fretados.

c. Tempos de resposta

No que diz respeito à inscrição no conselho da Ordem, é solicitada a inscrição no Conselho Regional da Ordem no círculo eleitoral do qual o candidato se baseia. O Conselho Regional deve decidir dentro de três meses. A decisão do conselho regional deve ser notificada ao candidato e ao comissário regional do Governo dentro de dez dias livres. Poderá, no prazo de um mês a ser notificado, ser encaminhado ao Comitê Nacional da Mesa, seja pelo interessado em caso de recusa de registro ou se não pelo Comissário Regional do Governo.

No que se refere ao registro de associações de gestão e contabilidade, cabe à comissão nacional decidir sobre a listagem das associações de gestão e contabilidade no conselho e por manter uma lista dessas associações. A Comissão determina as condições de tempo e recurso para outros profissionais contábeis.

Para ir mais longe Artigos 42 e 42 Bis 45-2138 de 19 de setembro de 1945 e artigos 106 e seguintes do Decreto nº 2012-432 de 30 de março de 2012.

No que se refere ao reconhecimento das qualificações profissionais, o CSOEC reconhece o recebimento do processo do requerente no prazo de um mês após o recebimento. O parecer fundamentado sobre um pedido de reconhecimento de qualificação profissional deve ser enviado ao interessado no prazo de três meses após a apresentação de seu arquivo completo.

Para ir mais longe Artigos 98 e 99 do Decreto nº 2012-432, de 30 de março de 2012.

d. Documentos de suporte

Com relação à inscrição no conselho da Ordem, o pedido de inclusão nas seções e listas da tabela deve ser acompanhado de documentos que justifiquem que a pessoa atenda às condições estabelecidas na Seção 3 da portaria de 19 de setembro de 1945.

Para ir mais longe Artigo 116 do Decreto nº 2012-432, de 30 de março de 2012.

Quando se trata do reconhecimento das qualificações profissionais, os documentos a serem fornecidos são:

  • (1) documentos que estabeleçam seu estado civil, nacionalidade e residência;
  • (2) documentos para verificar se atendem aos requisitos do 1º ou 2º do artigo 26.º ou dos artigos 26-0 da ordem de 19 de Setembro de 1945, tais como cópias dos certificados de competência ou evidência de credenciais de formação que fornecem acesso à profissão de contador ou permitem o exercício parcial da atividade contábil;
  • (3) um documento ou certificado das autoridades do país nacional que comprove que o candidato atende às condições morais estabelecidas nos dias 2 e 3 do artigo 3º da portaria de 19 de Setembro de 1945;
  • (4) um documento ou certificado, se houver de um banco ou de uma companhia de seguros em um Estado-Membro da UE ou de outra parte do Acordo EEE, estabelecendo que o requerente está segurado contra os riscos financeiros associados ao responsabilidade de acordo com os requisitos da seção 17 da ordem de 19 de setembro de 1945. Para isso, deve-se mencionar a natureza dos benefícios segurados e o valor anual das garantias de seguro retiradas. Esse valor deve ser em relação à obrigação de seguro imposta aos membros da Ordem nos termos das Seções 134 a 140 do decreto de 30 de março de 2012.

Os documentos produzidos são acompanhados, se necessário, pela sua tradução para o francês por um tradutor juramentado ou habilitado a intervir com as autoridades judiciais e administrativas de um Estado-Membro da UE ou de outra parte do Acordo. Eee. Originais não são necessários.

Para ir mais longe Artigo 97 do Decreto nº 2012-432, de 30 de março de 2012.

e. Remédios

Nacional

Com relação ao registro na lista da Ordem, a decisão de recusa pode, no prazo de um mês após a notificação, ser encaminhada ao Comitê Nacional da tabela, seja pelo interessado em caso de recusa de registro, ou de outra forma pelo Comissário Regional do Governo. O tribunal deve decidir dentro de seis meses. Caso a decisão não ocorra no final desse período, a listagem é legal. No caso de uma decisão de recusar ser incluída no conselho pelo Comitê Nacional da mesa, tal decisão poderá ser apelada ao tribunal administrativo as condições do direito comum.

Para ir mais longe : Código de Justiça Administrativa, artigos 43 e 44 da Portaria 45-2138 de 19 de setembro de 1945 e artigos 106 e artigos do Decreto nº 2012-432 de 30 de março de 2012.

No que se refere ao reconhecimento de qualificações profissionais, em caso de decisão de recusa ao reconhecimento de qualificações profissionais, tal decisão poderá ser apelada ao tribunal administrativo no condições de direito comum.

Para ir mais longe In: Código de Justiça Administrativa.

Centro de assistência francês

O Centro ENIC-NARIC é o centro francês de informações sobre o reconhecimento acadêmico e profissional de diplomas.

Solvit

O SOLVIT é um serviço prestado pela Administração Nacional de cada Estado-membro da UE ou parte do acordo EEE. Seu objetivo é encontrar uma solução para uma disputa entre um nacional da UE e a administração de outro desses Estados. A SOLVIT intervém em particular no reconhecimento das qualificações profissionais.

Condições

O interessado só pode usar o SOLVIT se estabelecer:

  • que a administração pública de um Estado da UE não respeitou seus direitos o direito da UE como cidadão ou negócio de outro Estado da UE;
  • que ainda não iniciou ação judicial (ação administrativa não é considerada como tal).

Procedimento

O nacional deve completar um formulário de reclamação on-line .

Uma vez que seu arquivo tenha sido apresentado, a SOLVIT entra em contato com ele dentro de uma semana para solicitar, se necessário, informações adicionais e verificar se o problema está dentro de sua competência.

Documentos de suporte

Para entrar no SOLVIT, o nacional deve comunicar:

  • Detalhes completos de contato
  • Descrição detalhada de seu problema
  • todas as provas nos autos (por exemplo, correspondências e decisões recebidas da autoridade administrativa competente).

Tempo

A SOLVIT está empenhada em encontrar uma solução dentro de dez semanas a partir do dia em que o caso foi assumido pelo centro SOLVIT no país em que o problema ocorreu.

Custo

Livre.

Resultado do procedimento

Ao final do período de 10 semanas, a SOLVIT apresenta uma solução:

  • Se essa solução resolver a disputa sobre a aplicação do direito europeu, a solução será aceita e o caso será encerrado;
  • se não houver solução, o caso é encerrado como não resolvido e encaminhado à Comissão Europeia.

Mais informações

SOLVIT na França: Secretaria Geral para Assuntos Europeus, 68 rue de Bellechasse, 75700 Paris ( site oficial ).